[Assírio&Alvim]Obra poética de Sophia passa para Assírio & Alvim‏


Obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen será publicada pela Assírio & Alvim
A melhor notícia que se podia dar para assinalar o Dia Mundial da Poesia

O Grupo Porto Editora anuncia que a Assírio & Alvim vai publicar a obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen.
Esta é uma das melhores notícias que podiam ser dadas no Dia Mundial da Poesia. Vasco Teixeira, Diretor Editorial do Grupo Porto Editora, afirma que a possibilidade de se publicar a obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen na Assírio & Alvim estava a ser analisada há algum tempo e que este anúncio não podia acontecer em melhor data. “Estamos particularmente satisfeitos com a concretização deste nosso desejo. A Assírio & Alvim é a casa ideal para dar a visibilidade que a obra poética da Sophia de Mello Breyner Andresen merece”, sublinha Vasco Teixeira.
Será ainda no decorrer de 2013 que serão publicadas pela Assírio & Alvim as primeiras obras de Sophia: Poesia (originalmente publicado em 1944); Coral de 1950); No Tempo Dividido (de 1954); e Mar Novo (de 1958).
De lembrar que, em outubro de 2012, a Porto Editora já tinha assegurado os direitos de edição da obra em prosa de Sophia de Mello Breyner Andresen.


Sophia de Mello Breyner Andresen
Sophia de Mello Breyner nasce a 6 de novembro 1919 no Porto, onde passa a infância. Entre 1936 e 1939 estuda Filologia Clássica na Universidade de Lisboa. Publica os primeiros versos em 1940, nos Cadernos de Poesia. Casada com Francisco Sousa Tavares, passa a viver em Lisboa. Tem cinco filhos. Participa ativamente na oposição ao Estado Novo e é eleita, depois do 25 de Abril, deputada à Assembleia Constituinte.
Autora de catorze livros de poesia, publicados entre 1944 e 1997, escreve também contos, histórias para crianças, artigos, ensaios e teatro. Traduz Eurípedes, Shakespeare, Claudel, Dante e, para o francês, alguns poetas portugueses.
Recebeu entre outros, o Prémio Camões 1999, o Prémio Poesia Max Jacob 2001 e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana. Foi a primeira vez que um português venceu este prestigiado galardão, que, para além do valor pecuniário de 42 070 euros, significa ainda a edição de uma antologia bilingue (português-castelhano), o que levará a autora a um vastíssimo público que cobre os países latino-americanos.
Com uma linguagem poética quase transparente e íntima, ao mesmo tempo ancorada nos antigos mitos clássicos, Sophia evoca nos seus versos os objetos, as coisas, os seres, os tempos, os mares, os dias. A sua obra, várias vezes premiada está traduzida em várias línguas.
Sophia de Mello Breyner Andresen faleceu a 2 de julho de 2004, em Lisboa.

0 comentários:

Enviar um comentário