[Porto Editora]Novidade "Sem Coração",de Miguel Miranda

Título: Sem Coração
Autor: Miguel Miranda
Págs.: 176
Capa: Mole com badanas
PVP: 15,50 €

Sem Coração é o novo livro do autor

O roubo do coração de D. Pedro IV, relíquia de valor incalculável que está guardada na Igreja da Lapa, é o ponto de partida do mais recente livro de Miguel Miranda, Sem Coração. Protagonizado pelo detetive Mário França, considerado «Le Sherlock Holmes du Sud» pelo jornal L’Express, o autor regressa ao género policial e desenvolve uma intrincada investigação sobre dois assassínios e o desaparecimento dessa relíquia, que se mantém envolta em mistério. Sem Coração é publicado pela Porto Editora a 2 de julho e dá seguimento a Dai-lhes, Senhor, o Eterno Repouso, que, no ano passado, em França, esteve nomeado para o Prémio Violeta Negra de Literatura Policial do Festival Literário de Toulouse.
É precisamente na Igreja da Lapa, no Porto, que se realiza a primeira sessão de lançamento de Sem Coração, no dia 4 de julho, pelas 16:00. A apresentação estará a cargo de Francisco Ribeiro da Silva e Hélder Pacheco.
Em Lisboa, António Sampaio da Nóvoa irá apresentar este livro no dia 8 de julho, pelas 19:00, no El Corte Inglés Lisboa.


O roubo do coração de D. Pedro IV deixará atrás de si o rasto de duas mortes… Poderá o crime perfeito ser desvendado?
Dois homicídios, encapotados de morte natural, e o roubo do coração do rei D. Pedro IV do mausoléu da igreja da Lapa, no Porto, são o pretexto para uma nova investigação do detetive privado Mário França.
Em conjunto com a sua equipa de agentes marginais, com métodos peculiares mas de uma eficácia a toda a prova, terá forçosamente de se imiscuir num universo de intrigas familiares, gangues violentos e querelas que remontam aos tempos das Guerras Liberais, procurando respostas para os assassínios, de uma sofisticação incomum, e para o roubo da relíquia real, aparentemente relacionado com redes internacionais de tráfico dessa peculiar mercadoria que é a memorabilia corporea…
Por entre as linhas da narrativa, e pela voz do seu protagonista, naquela que é a primeira obra ficcional sobre o coração do rei D. Pedro IV, bastião nacional da liberdade, Miguel Miranda tece uma sincera homenagem à cidade do Porto e aos ideais da causa liberal, bem como uma análise histórica, em particular ao momento que deu origem ao famoso epíteto de Invicta: o cerco da cidade, «tempos de horror e carnificina» que terminaram com a vitória dos liberais.


Miguel Miranda é médico e autor de vários romances, livros de contos e livros infantis. Recebeu o Grande Prémio de Conto da APE pelo livro Contos à Moda do Porto (1996); o Prémio Caminho de Literatura Policial pelo livro O Estranho Caso do Cadáver Sorridente (1997); e o Prémio Fialho de Almeida em duas ocasiões, pelos livros A Maldição do Louva-a-Deus (2001) e Todas as Cores do Vento (2013). Foi, também, finalista do Prémio PEN Narrativa 2012 (Todas as Cores do Vento) e do Prémio Violeta Negra 2014 do Festival de Literatura Policial de Toulouse (Donnez Leur, Seigneur, le Repos Éternel, edição francesa de Dai-lhes, Senhor, o Eterno Repouso). Está traduzido em Itália e França e representado em diversas coletâneas. No catálogo da Porto Editora figuram já os seus romances Dai-lhes, Senhor, o Eterno Repouso, Todas as Cores do Vento e A Paixão de K, bem como o livro de contos A Fome do Licantropo e Outras Histórias.

0 comentários:

Enviar um comentário