[Porto Editora]Novidade "A Rainha dos Sipaios",de Catherine Clément

Título: A Rainha dos Sipaios
Autor: Catherine Clément
Tradução: Isabel St. Aubyn
Págs.: 280
PVP: 16,60 €

A história da indiana que combateu o Império Britânico é agora revelada num surpreendente romance
Lakshmi Bai é o nome da rainha indiana que inspirou Catherine Clément para o seu mais recente romance, A Rainha dos Sipaios, que será publicado pela Porto Editora a 24 de janeiro. Ainda hoje um símbolo de coragem, Lakshmi Bai foi o rosto de um dos principais movimentos de libertação nacional da Índia contra o domínio do Império Britânico, eternizado como Revolta dos Sipaios.
Com uma vasta obra publicada, que conta com mais de trinta livros, Catherine Clément regressa neste romance a um dos seus países de eleição, cenário de alguns dos seus romances mais emblemáticos. No catálogo da Porto Editora figura já o livro anterior da autora, Dez Mil Guitarras.



Ela era a rainha de Jhansi, um reino livre do centro da Índia. Uma jovem viúva de trinta anos, impetuosa e altiva. Morreu na guerra, vestida de homem, as rédeas do cavalo entre os dentes, uma espada em cada mão e um colar de pérolas ao pescoço.
Este movimento de libertação nacional, conhecido por «revolta dos sipaios», dilacerou o ventre da Índia em meados do século XIX, quando os soldados indígenas de pele escura, conhecidos como «sipaios», se sublevaram contra os amos brancos, ou os «John Company», em referência à Companhia das Índias Orientais.
Muitas humilhações, muitos rajás destronados, muitas explorações… Certo dia, tudo explodiu. Nasceu a insurreição. A guerra de independência indiana durou dois anos, dois terríveis anos de vitórias e massacres, largamente comentados a partir de Londres por dois correspondentes de imprensa, Karl Marx e Friedrich Engels.
Quando a guerreira morreu, a Índia deixou de ser livre. Mas, ainda hoje, as crianças indianas aprendem na escola a canção que celebra a sua glória. Um destino fulgurante, cantado por todo um povo e contado com energia por Catherine Clément, que aqui reencontra a Índia que tão bem conhece.



Filósofa e romancista, Catherine Clément nasceu em 1939, em Paris. Depois de ter publicado obras de filosofia, antropologia e psicanálise, converteu-se, com sucesso, à ficção. Entre os seus romances mais populares, contam-se A Senhora, Por Amor da Índia, A Valsa Inacabada, A Rameira do Diabo, A Viagem de Théo e O Último Encontro.


O destino da rainha de Jhansi é tão fascinante como o de Cleópatra. Uma autêntica lição de História! Grandioso!
Femme Actuelle

O leitor tem a sensação de estar a assistir em primeira mão a essa luta pela justiça e pela igualdade, enquanto se cultiva e entretém. Um grande romance histórico.
Le Figaro Littéraire

Um romance histórico cativante […] difícil de pousar depois da primeira página.
Ma Presse

0 comentários:

Enviar um comentário