[Quinta Essência]Opinião "A Casa de Willow Street",de Cathy Kelly

Titulo: A Casa de Willow Street
Autor: Cathy Kelly



Tess costumava sentir-se feliz com a sua vida: mora na idílica e costeira Avalon com o filho adolescente, Zach, e a filha nove anos, Kitty, e trabalha na loja de antiguidades local. O único arrependimento que tem é tudo ter corrido tão mal com o seu primeiro amor. Em seguida, o seu casamento chega ao fim e o tal primeiro amor regressa a Avalon... Suki, irmã de Tess, fugiu da Irlanda anos antes para casar com o político Kyle Richardon. Quando descobre que alguém quer escrever uma biografia sobre ele há apenas um lugar para onde pode ir a fim de se assegurar de que os seus segredos permanecem escondidos. Danae é a funcionária dos correios de Avalon e esforçou-se bastante para garantir que ninguém sabe de onde veio ou quem é... O passado só a si diz respeito, e ela gostaria de mantê-lo assim. Em Galway, Mara exibe um sorriso falso num casamento; só quer perguntar uma coisa ao noivo: porque lhe disse ele que a amava? Precisando de deixar o passado para trás, Mara pega na sua vida e prepara-se para um novo começo. Poderão estas quatro mulheres resolver os seus passados? Ou será que precisam de olhar para trás antes de poderem começar a viver para o futuro?



“A Casa de Willow Street” foi a minha estreia com esta autora e as palavras faltam-me para descrever aquilo que este livro me transmitiu.
Cathy Kelly não é uma novidade no mercado literário português, na verdade os seus livros têm sido um sucesso e esta nova obra apenas vem confirmar aquilo que já tinha lido em vários blogues literários. A autora tem um estilo de escrita muito própria das autoras contemporâneas irlandesas e por isso, ao termos conhecimento do género a que pertence a obra e à nacionalidade da autora, temos também conhecimento daquilo que podemos esperar da história. Apesar disso, a percepção daquilo que se vai encontrar não é um ponto negativo! A Irlanda é um país muito rico e do qual se pode extrair inúmeras possibilidades de escrita. Quem já teve a possibilidade de visitar a “Ilha Esmeralda” sabe do que falo e consegue compreender as razões que tenho para o fazer. Dei por mim, muitas vezes, transportada no tempo e no espaço, numa altura em que visitei esse maravilhoso país e consegui visualizar todo o espaço da acção de uma forma quase perfeita, visto que a zona que visitei situa-se muito próxima de Arklow.
Toda a história encontra-se envolta numa teia de mistérios, que parecem ter origem no passado das personagens. Gostei muito da história de Danae e de Mara, principalmente pela modo com Mara foi mudando a vida da sua tia. Danea já tinha passado por tantas dificuldades ao longo da sua vida que foi um alívio imenso quando me apercebi as coisas boas que a autora tinha preparado para esta personagem. Mara acabou por seguir um caminho um pouco mais fácil, apesar do sofrimento pelo qual passou, mas a historia que mais me prendeu em todo o livro foi a de Tess e Cashel, apesar de ter achado que se tinham separado por motivos bastante infantis. De resto tenho apenas a dizer que não gostei tanto de Suki. A sua história passou quase despercebida e ela própria acabou por não me cativar, pois no meio de tanta informação, a sua história pareceu-me um pouco forçada e até escusada no meio do livro. Este tipo de livro acaba por se tornar bastante leve porque não se foca apenas em um ou duas personagens, fazendo com que o leitor se mantenha curioso acerca de todas as historias e ansioso por saber o que vai acontecer de seguida.
Em resumo, este é um livro fantástico, um romance perfeito para estas tardes quentes de verão. A não perder!

0 comentários:

Enviar um comentário