[Quetzal]Nova edição de As Mulheres Deviam Vir Com Livro de Instruções, de Manuel Jorge Marmelo


Titulo: As Mulheres Deviam Vir Com Livro de Instruções
Autor: Manuel Jorge Marmelo 
N.º de páginas: 152 
PVP: 14,40 €
Data de lançamento: 24 de maio 



Canalizador, carpinteiro, pedreiro, pintor e mecânico-de-pequenos- eletrodomésticos, Madureira é casado com duas mulheres e tem seis filhos. Na condição de faz-tudo conhece Maria Rosa, uma rapariga humilde que, após uma passagem atribulada pelas páginas policiais dos jornais, circula entre o submundo e a burguesia do Porto do final dos anos 1990. Transforma-se, assim, num observador privilegiado (e mordaz) dos vícios sociais e do universo feminino, concluindo que as mulheres deviam vir com livro de instruções, mas também que o mundo todo necessitaria de ser deixado longe do alcance das crianças. 


Manuel Jorge Marmelo nasceu em 1971, na cidade do Porto. É jornalista desde 1989. O seu primeiro livro, O Homem que Julgou Morrer de Amor (novela e teatro), inaugurou, em 1996, a coleção Campo de Estreia, da Campo das Letras. Publicou, depois, Portugués, Guapo y Matador (romance, 1997), Nome de Tango (romance, 1998), As Mulheres Deviam Vir Com Livro de Instruções (romance, 1999), O Amor é para os Parvos (romance, 2000), Palácio de Cristal, Jardim-Paraíso (álbum, 2000), Sertão Dourado (romance, 2001), Paixões & Embirrações (crónicas, 2002), Oito Cidades e Uma Carta de Amor (contos e fotos, 2003), A Menina Gigante (infantil, 2003) e Os Fantasmas de Pessoa (romance, 2004). Tem publicado regularmente textos e contos em diversas antologias e publicações, em Portugal, no Brasil e em França. Desde julho de 2001, o seu nome consta do Dicionário de Personalidades Portuenses do Século XX, da Porto Editora, sendo o mais jovem dos nomes biografados. Em junho de 2005, com o livro O Silêncio de Um Homem Só, é-lhe atribuído o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco, da Associação Portuguesa de Escritores em colaboração com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. Uma Mentira Mil Vezes Repetida foi publicado pela Quetzal em setembro de 2011 e o seu romance mais recente, Somos Todos um Bocado Ciganos, saiu em 2011.



“O livro só corre o risco (por enquanto) de ser lido por homens e mulheres com o mesmo entusiasmo.” 
Público 

“Mais do que um título politicamente incorreto em tempos de feminismo, esta é a quarta obra de um escritor que, de forma ágil e divertida, descreve um Porto insuspeito.” 
Diário de Notícias  

0 comentários:

Enviar um comentário