[Porto Editora]Novidade "SAGAL – O profeta do fim",de António Brito


Título: SAGAL – O profeta do fim
Autor: António Brito
Págs: 240
PVP: 15,50 €


Fim do mundo em 2012?
Ação, aventura e antigas profecias envolvem o novo livro de António Brito, O Profeta do Fim
A 19 de novembro, a Porto Editora publica uma nova aventura da autoria de António Brito, SAGAL – O profeta do fim, que tem como pano de fundo as profecias relacionadas com o fim do mundo em 2012.
Uma narrativa rápida, dura e original, como o próprio herói Sagal, leva- -nos a percorrer uma história de ação e misticismo que envolve seitas, narcotráfico e corrupção.


SINOPSE
O profeta do fim é o segundo livro da série SAGAL, o aventureiro português da era moderna. A pretexto de ajudar um amigo, Sagal envolve-se com uma seita apocalíptica que anuncia a proximidade do fim do mundo, fazendo interpretações obscuras do Calendário Maia, Bíblia e Profecias de Nostradamus.
O Sagal guerrilheiro confronta-se com a seita, cujo líder, denominado Profeta, recruta acólitos anunciando-lhes a salvação dos cataclismos que se aproximam, através de cerimónias iniciáticas envolvendo cobras venenosas e bebidas alucinogénias.
Penetrando no esconderijo do Profeta nas montanhas, Sagal descobre crimes, manipulações e lavagens ao cérebro, praticados pela seita religiosa para controlar a vontade dos crentes; promete-lhes a salvação e um encontro com Deus, a troco de dízimos e doações de bens. Usando de astúcias e golpes à margem da lei, Sagal enfrenta políticos sem escrúpulos que concedem favores à seita em troca de avultadas somas em dinheiro provenientes do tráfico de haxixe e de dádivas extorquidas em nome do Senhor Jesus.


O AUTOR
António Brito é licenciado em Direito e trabalhou em diversas empresas multinacionais. Nasceu entre as serras do Açor e do Caramulo, concelho de Tábua, distrito de Coimbra. Antigo combatente da guerra colonial, alistou-se aos dezoito anos na Força Aérea, nas Tropas Pára-quedistas, sendo mobilizado para a guerra em Moçambique. Combateu os guerrilheiros nacionalistas em algumas das mais importantes operações militares de toda a guerra ultramarina: nas florestas da serra Mapé, nos pântanos do rio Rovuma, no planalto dos macondes, no vale do rio Messalo.
Colaborou com jornais de Moçambique e Portugal, contando histórias de guerra e de homens vivendo para lá dos seus limites. A Sextante Editora / Porto Editora publicou os seus romances: Olhos de caçador (2007), baseado nas suas vivências africanas na guerra de guerrilhas no antigo território português do Índico. Teve excelentes críticas, sendo considerado um dos melhores livros em língua portuguesa sobre a Guerra Colonial. O Céu não pode esperar (2009) introduz uma das mais belas histórias inseridas no realismo fantástico: a busca do sagrado, o amor infinito, a eternidade, os segredos das organizações clandestinas, a inquisição, a herança judaica, a diáspora dos portugueses, o dogma religioso, a ciência oculta do voo antigravitacional. SAGAL – Um herói feito em África (2012): Sagal é o arquétipo do aventureiro português da era moderna. Nasceu num bordel e foi abandonado pela mãe. Cresceu na Casa Pia e fugiu para a marginalidade. Soldado e mercenário em África, caiu e levantou-se inúmeras vezes; um sobrevivente superando as suas dores. A crítica considerou SAGAL um romance poderoso, inovador, com um estilo que agarra o leitor do princípio ao fim.


IMPRENSA
Sobre SAGAL – Um herói feito em África:
Trata-se de um grande romance com uma escrita espantosa, que vai contra a corrente literária. Uma ideia fabulosa, uma metáfora do país. Parabéns.
Fernando Dacosta

Sobre Olhos de Caçador:
Um documento fortíssimo, muito bem escrito.
Lídia Jorge

Um dos melhores romance-testemunho sobre a guerra colonial.
Luís Caetano

0 comentários:

Enviar um comentário