Editorial Presença - "Dei-te o melhor de mim" [Opinião]

Nicholas Sparks 



















Sinopse: Este novo e aclamado romance de Nicholas Sparks conta a história emocionante de Amanda e Dawson, dois adolescentes envolvidos na mágica experiência do primeiro amor. Contudo, sob a pressão familiar e social, são obrigados a seguir vidas distintas. Somente vinte e cinco anos mais tarde voltam a encontrar-se, por altura da morte do único homem que tinha protegido o jovem casal apaixonado. E se para ambos o amor de outrora se revela intacto, confrontam-se inevitavelmente com as escolhas feitas e os compromissos assumidos. Qual então o sentido daquele encontro, se nada podia mudar o passado?


Autor: Nicholas Sparks nasceu em 1965 em Omaha, Nebraska. Cresceu em Fair Oaks na Califórnia e vive actualmente na Carolina do Norte com a família. Foi durante algum tempo delegado de informação médica até que Theresa Park, agente literária, decidiu começar a representá-lo, vendendo os direitos do seu primeiro romance O Diário da Nossa Paixão (The Notebook) à Warner Books. O sucesso foi imediato e a obra permaneceu durante 56 semanas consecutivas nos tops americanos. Seguiram-se livros como As Palavras que Nunca te Direi (Message in a Bottle) e Um Momento Inesquecível (A Walk to Remember), Corações em Silêncio (The Rescue) também eles sucessos editoriais de grandes proporções, tendo o primeiro sido adaptado para versão cinematográfica pelo próprio autor. Considerado o golden boy da ficção comercial americana é um autor consagrado internacionalmente pelo público.


Opinião:Tenho a confessar que sempre disse “Não” aos livros do Nicholas Sparks.
O primeiro livro do autor que esteve nas minhas mãos foi “As palavras que nunca te direi” e não consegui ler mais do que meia dúzia de páginas. Não sei explicar o porquê, mas simplesmente não tinha paciência para tanto sentimentalismo que estava descrito logo ao início. Foi por isso que comecei a ler este livro com algum receio, pois muitas vezes não voltamos a ler algumas obras pois pertencem ao autor “x” ou “y”.
Ao inicio, estava a achar um pouco cansativo toda a descrição do ambiente, mas a cada virar de pagina comecei a perceber o porque de tudo aquilo, e depois só queria mais e mais… Acabei por chegar a meio do livro e pensar “Mas já li isto tudo?”. É um livro muito fácil de ler, sem grandes complicações linguísticas, mas com um enorme sentimento envolvente que nos faz sentir como se estivéssemos a viver as emoções do protagonista. Achei que o Dawson era uma personagem muito bem construída, com um caracter incrível e cheguei a perguntar-me se ele pertencia realmente àquela família. Na primeira parte do livro, quando ainda era contada a história de Dawson e Amanda, achei que apesar de tanto sofrimento ele ainda tinha muita ingenuidade, acredita no destino e no que estava guardado para ele no futuro. Penso que é isso que esta historia nos mostra, que apesar de não ser impossível, é muito difícil a vida apresentar-nos as mesmas possibilidades mais do que uma vez. Que devemos aproveitar a primeira oportunidade, porque depois pode já ser tarde demais. Em relação ao final, devo dizer que o livro acaba bem. Não da forma que queríamos ou desejávamos, mas chega a ter um final quase feliz. Foi neste final que acabei por derramar umas lagrimas. Não sei explicar a razão, talvez tivesse sido pelo significado ou então pelas voltas que a história deu…no final, Dawson deu a Amanda o melhor dele!
Devo dizer que mudei a minha forma de pensar em relação aos livros deste autor. Pode haver um livro ou outro que não me fascine tanto, mas este vai ficar marcado dentro de mim. “Dei-te o melhor de mim” é uma obra fascinante que nos deixa emocionadas do início ao fim. Espero que gostem tanto do livro como eu.


Deixo aqui a minha parte favorita:

 “Dawson dera um pontapé na terra solta. "Quando se ama uma pessoa, devemos liberta-la. Certo?".
Pela primeira vez os olhos dela dardejaram. "E se essa pessoa não quiser ser libertada, vai ser obrigada na mesma? É assim que vês a situação? Como uma espécie de cliché?" Agarrara-o pelo braço, cravando-lhe os dedos. "Nós não somos um cliché. Havemos de encontrar uma solução para que possa funcionar."

1 comentário:

  1. Posso te dar um conselho? Dá uma grande oportunidade a Nicholas Sparks e não te irás arrepender...
    Como já deve dar para perceber adoro os seus livros...Dá uma oportunidade "As palavras que nunca te direi" é um livro lindo e que com certeza te irá marcar também.
    Quanto ao livro supracitado, tenho-o na minha estante a aguardar a sua vez, que será para breve...Penso que vou gostar tanto como tu :)
    Os livros de Nicholas Sparks têm sempre muito sentimento e são carregados também de uma mensagem/ lição de vida.
    Boas leituras!
    p.s: Podes ver a minha opinião dos seus livros no meu blog:http://palavrassoltas-carol.blogspot.pt/search/label/Nicholas%20Sparks

    ResponderEliminar